17 de out de 2010

Vou tentar manter o coração aberto pra você

Eu não sei se devo chegar dando um beijo e um abraço apertado, e simplesmente agradecer, por tudo que nós somos, por ser relativamente fácil, e tão natural o gostar.
Pelo diálogo e paciência.
Ou se eu não quero fazer parte disso, dessas preocupações e irritações, ter que aprender a conviver com outro gênio, com outras convicções, com outros preconceitos e certezas.
Nos momentos de silêncio que corroem toda aquela espontaneidade.
Eu não sei se é fantástico e diferente, ou se assim sempre parece, e por fim, os problemas se repetem.
Se eu recebi o presente divino de amar alguém tão bom, ou se também eu me apaixonei por sua bondade.
Eu sei que eu amo mais do que fico brava com certas coisas.



Não basta que o outro tenha as qualidades que você admira, é preciso que tenha os defeitos que somos capazes de suportar. E ainda admirar as qualidades, sem isso, há apenas uma amizade sem contemplação. Sem defeitos particularmente toleráveis, há um desamor a si próprio. Mas essa é a maneira de algumas pessoas amarem o outro.


"Eu te amo de alma para alma.
E mais que as palavras,
ainda que seja através delas
que eu me defenda,
quando digo que te amo
mais que o silêncio dos momentos difíceis,
quando o próprio amor
vacila."
Quando o amor vacila - Maria Bethânia


4 comentários:

Ana Carolina, disse...

Esse poema vai me fazer chorar se eu ouvir ela ou qualquer pessoa falando =/

Mayara Buss disse...

bom que eu não coloquei o vídeo do poema, então.

Henrique Miné disse...

haha, putaquepariu, que boniiito isso! *-*

Au disse...

Quando o silencio não é preenchido e nenhum dos dois percebe, e quando passamos a achar interessante até os defeitos do outro, é sinal que é de verdade... :)

Muito bonito, Mayara!


Beijo!